Engole teu coração
Engole teu coração
É veneno pra um egocêntrico feito eu ter o sofrimento encaixado em qualquer buraco, feito fonte universal. Eu não sou amputação pra unha encravada, e eu não sou esparadrapo pra osso fraturado. Qualquer miséria me satisfaz, mas eu não quero nenhuma esmola, ao contrário do que a tua piedade diz. Talvez eu não queira nada, absolutamente nada. (cinzentos) online
Iniciocorreioarquivos
delíriossubmitTheme
3

a estrofe da vida real não dilui o meu caos
não faz a cabeça
não sai da cabeça

1158

Esses versos
são meus destroços
deles faço a poesia
que me cobre
os ossos.
Amor com Vinho
332

E basta que passem mais uns anos para que chegue a espantosa solidão, a trêmula velhice que traz consigo a tristeza e a dor. O teu mundo fantástico há de perder então as suas cores, murcharão e morrerão os teus sonhos, e, como as folhas amarelas que tombam das árvores, também eles se desprenderão de ti.
Fiódor Dostoiévski.
11

é que o amor me parecia uma pena
do tipo que rabiscava a vida de outrem,
mas de que adianta essa coisa ser tão serena,
se a vida não foi feita pra ninguém?
talvez seja porque viver nos leva ao pessimismo
e eu me pergunto se alguma coisa já foi feita a alguém.
acho que tudo está em um tipo de neologismo,
uma espécie de tristeza jogada ao além
que transforma até a mais bela poesia em niilismo,
quem dirá monopolizar o ódio doutrem?!
aliás, pra que tanta importância no existencialismo,
se a vagueza é o próprio alguém?
Gabriel Malaquias 
240

O problema é que pesa. 

Pesa e diminui a gente da própria gente.  
E cansa. Vira vertigem.
Despenca. Ausenta
Quase, quase dói.

204

Geralmente nublado

Eu tenho ressaca e o passado ressoa, rude e revolto, envolto em responsabilidades. Já não espero mais das nuvens do que a chuva de fim de tarde. E atordoa, na verdade, saber que eu gosto de me molhar. O risco de cada passo, sem posse das próximas curvas. E o corpo debruça em alívio, sensível, receptivo. O amor é mais um carnaval, tropeçando de tanto etanol. E o se o tempo ainda vai clarear?

Talvez sim, talvez sol.

873

Me disperso
No universo
Do teu verso
No diverso
Do transverso
Me controverso
Clarissa Vannuchi. 
198850

Nada é eterno.
O café esfria,
O cigarro apaga.
O tempo passa,
As pessoas mudam.
Sean Wilhelm.
522

Me escondo nos versos mal dizidos
no português chulo
nas notas desafinadas
nos amores perdidos
Sou aquela pedra no meio do caminho,
chutada
jogada pra longe
Sou só,
pássaro sem ninho
amor sem lar
viajante sem destino.

3

Una persona es una persona a causa de los demás

2224

Por que não eu?
Leoni
183

Você soltou da minha mão
e eu me desfiz em cada vão,
em cada esquina,
em cada beco sem saída.
Escorri vida afora.
- na lápide:
“morto antes da hora”

Jorge de Castro

Theme